belleguiadebeleza

por Belinda Carli

Hoje a maioria dos cabelos são modelados por meio de aparelhos de modelagem térmica aquecidos a 230 ° C. Geralmente mais de três vezes por semana – em alguns casos diariamente -, o que significa que o potencial de dano ao cabelo é muito maior do que nas décadas anteriores. 

O que acontece quando o cabelo já está danificado, e continuará com danos acumulados e contínuos devido ao uso diário dessa modelagem? Este artigo examinará as opções disponíveis para reparar o impacto de aparelhos de modelagem térmica e como restaurar os cabelos, deixando-os saudáveis e brilhantes, mesmo depois dos danos causados e diante do uso contínuo de modelagem térmica.

Como o dano é feito?

O uso de dispositivos de modelagem térmica de alta temperatura eleva a cutícula do cabelo, tornando-o mais hidrofílico. Como resultado as camadas de cutícula são danificadas, o cabelo torna-se poroso com fendas e quebradiços. Também não é capaz de refletir a luz uniformemente, ou seja, fica sem brilho e embaraça facilmente, além de ser mais propenso a danos futuros. Onde a cutícula externa do cabelo é danificada, a água se espalha rapidamente sobre o fio e a umidade é perdida. 

O cabelo é predominantemente composto de moléculas de proteína, com perfis variados de aminoácidos na cutícula, córtex e medula. Outras substâncias presentes no cabelo incluem água, lipídios e minerais. Quando aquecidos, os perfis de proteínas são impactados e a proteção normal da barreira do cabelo é perdida. Além disso, suas propriedades hidrofóbicas são diminuídas, o que exacerba o frizz e outros danos.

Como podemos resolver esses problemas?

Reparando a cutícula. Como o cabelo é predominantemente uma proteína, reparar a superfície externa com proteínas e peptídeos hidrolisados que possuem uma afinidade natural ao eixo do cabelo é o ideal. Existem literalmente centenas de aminoácidos, peptídeos e proteínas hidrolisadas para escolher a partir de alguns conceitos-chave que você deve considerar:

• As proteínas são compostas de blocos de aminoácidos e peptídeos; portanto, o uso de qualquer uma dessas substâncias na forma de pó solúvel ou derivado hidrolisado fornecerá benefícios de suporte ao eixo do cabelo. Para os fins deste artigo, usarei o termo “substância proteica” para cobrir tais categorias.

• O peso molecular da substância proteica afeta o desempenho do cabelo. Proteínas de menor peso molecular (MW até cerca de 1000) são capazes de penetrar na fibra capilar para hidratar por dentro, reduzir a fragilidade e a formação de pontas duplas e atuam como reguladores de umidade. As proteínas de peso molecular maior (MW acima de 25.000) podem atuar como ‘protetores de proteínas’ e formar filmes coerentes no cabelo e assim suavizar fisicamente a cutícula.

As substâncias proteicas quaternizadas absorvem fortemente as áreas mais danificadas do cabelo devido à sua atração pelas porções hidrofílicas (carregadas). Elas também são particularmente eficazes para cabelos danificados no que tange reduzir a estática / frizz, neutralizando a carga na superfície do cabelo.

• A ‘história’ associada à substância proteica preferida pode ser um benefício para o marketing; especialmente onde esta proteína é particularmente atraente para os consumidores. Exemplos populares incluem seda, soja e queratina.

Lipídos 

Uma das maneiras mais eficazes de restaurar a barreira hidrofóbica e protetora contra a umidade do cabelo é revesti-lo de lipídios. O cabelo tem uma afinidade natural por substâncias oleosas e o cabelo saudável é naturalmente hidrofóbico. No entanto, o uso excessivo de lipídios retos em produtos capilares pode deixar os cabelos pesados, sem brilho e sem volume. Ao usar lipídios, o princípio ‘usar menos para alcançar o melhor’ deve ser aplicado: por isso procure resultados de eficácia e o uso na quantidade certa para obter benefícios sem resíduos significativos para pesar o cabelo.

• EFAs – ácidos graxos essenciais (ácido linolênico e linoléico) em pequenos insumos são biocompatíveis com o cabelo, sendo um componente natural do sebo secretado pelo couro cabeludo e que fornece um revestimento protetor ao cabelo.

• Outros ácidos graxos, como o ácido eicosanóico e o ácido beênico, fornecem benefícios condicionantes significativos aos cabelos – procure óleos vegetais ou exóticos, particularmente ricos nesses ácidos graxos.

• Os silicones voláteis se espalham extremamente bem pelos cabelos e evaporam sem resíduos. Eles atuam como solventes especialmente eficazes para depositar quantidades muito pequenas de substância lipídica em todo o cabelo, de maneira uniforme, para aplicação quase sem peso. 

• Lípidos etoxilados são outra maneira eficaz de proporcionar benefícios de condicionamento sem excesso de resíduos; especialmente quando são usados em produtos para lavagem. A porção etoxilada é altamente solúvel em água, o que significa que pode ser usada para fornecer uma porção condicionadora ao cabelo, enquanto o excesso pode ser efetivamente lavado.

Qual agente de reparo ideal para o seu produto?

As necessidades de cabelos podem variar significativamente, dependendo da etnia do usuário, de danos anteriores ou necessidades do estilo de vida. Por exemplo, é provável que uma mulher caucasiana com cabelos loiros tratados quimicamente e que nada regularmente já tenha sofrido algum dano ao cabelo, sendo exposta a condições prejudiciais contínuas, mesmo sem o uso de aparelhos de modelagem térmica. Por ser um tipo de cabelo mais fino,  responderá de maneira diferente aos resíduos, à umidade e ao pentear. Já os cabelos afros muito encaracolados, exigiriam produtos extremamente diferentes com outras necessidades específicas. Ao selecionar ativos para seus próximos desenvolvimentos de reparo térmico, procure o seguinte:

• Dados de eficácia usando mechas de cabelo ou modelos humanos com o tipo de cabelo específico para o qual você está estudando;

• Dados de eficácia do produto após pelo menos duas ou mais passagens dos aparelhos de modelagem térmica – isso refletirá com mais precisão o resultado ao consumidor;

• Compatibilidade com a formulação – mesmo o melhor material usado em um ambiente incompatível o tornará ineficaz.

• Quando usar produtos, certifique-se de que os resíduos ou ingredientes não causam peso excessivo. E se forem aquecer o cabelo com o produto presente, escolha um que seja possível modelar com eficiência e ao mesmo tempo proteger os cabelos.

No Brasil a Anvisa pode te dar respaldo caso o produto não cumpra a promessa que se propôs no rótulo da embalagem. Se estiver avaliando produtos com dados e resultados semelhantes, considere o que vai atrair melhor seu público-alvo.

Cabelos mais saudáveis e com estilo!

Foto 1. Camada de cutícula saudável, 2. Camada de cutícula elevada e 3. Camada cutânea danificada

Fonte: Este texto foi retirado do artigo publicado na revista The Science of Beauty ed. agosto de 2017.

Fotos: ilustrativas

Sobre Belinda Carli

Belinda Carli é diretora do Institute of Personal Care Science , uma organização internacional de treinamento que fornece certificados e diplomas via educação a distância na formulação, desenvolvimento, gerenciamento de marcas e assuntos regulatórios para cuidados pessoais e cosméticos.

Apresenta regularmente em grandes eventos internacionais e seu trabalho pode ser encontrado em muitas publicações nacionais e internacionais e no site de formuladores da Special Chem. Ela é consultora técnica oficial do grupo de cosméticos internacionalmente; e escreveu cinco livros sobre Iniciação e Formulação Cosmética Avançada, Formulação Cosmética Orgânica e em Cores e Gerenciamento de Marcas.

Ela é Bacharel em Terapias Naturais, possui Diploma de Ciência Cosmética e Certificado IV em Treinamento e Avaliação. Ela é membro da Sociedade Australiana de Químicos Cosméticos (ASCC). Ela foi vencedora do Prêmio Anual da Indústria de 2013 da CHC Austrália por sua contribuição à pesquisa e treinamento e foi finalista do Australian Telstra Business Women’s Awards de 2010 em três categorias.